top of page

$HE 

As long as our bodies are merchandise, they profit. And we will continue to pay the price with our freedom and with our life.

As long as our bodies are merchandise, they profit. As long as we will continue not to be considered to belong to the human species, we will continue to be distant from fully enjoying our rights

As long as our bodies are merchandise, they profit. And we will continue to be treated as inanimate objects, an object without a voice and without a will, which belongs to everyone except ourselves.

As long as our bodies are merchandise, they profit. And we will continue to pay the price with our freedom and with our life.

As long as our bodies are merchandise, they profit. As long as we will continue not to be considered to belong to the human species, we will continue to be distant from fully enjoying our rights

As long as our bodies are merchandise, they profit. And we will continue to be treated as inanimate objects, an object without a voice and without a will, which belongs to everyone except ourselves.

Leitura de obra

A estética do ensaio remete ao Renascimento, buscando a perfeição. No entanto, as cores e elementos contrastam, criando uma beleza triste que associa o sentir a algo não estético. A obra pode ser compreendida tanto de forma individual quanto em série, como detalharei a seguir.

O hematoma  na perna da mulher  representa o defeito que a sociedade espera que seja eliminado. Os tons de cinza que o cercam contrastam com as cores que representam como se ali tivesse um coração pulsante de vida que a mulher tenta segurar, como se existisse uma batalha entre a vida e a objetificação.
 

A proposta de trazer o plástico fazendo referência às estátuas é contestar a artificialidade que existe hoje no conceito de beleza, no que seria uma representação de Vênus para a sociedade, num contraste que tenta mostrar que o sentimento não é estético  numa triste beleza que reprime a essência. Trazendo um vermelho na mão para representar as agressões que nós mulheres fazemos para “combinar” com o que a sociedade nos impõe.

A proposta dessas fotos é  apresentar a pressão que as redes sociais impõem e em um contraste de como a mulher se sente para que ela se pareça com o que vê, ao mesmo tempo trazendo a artificialidade que existe ali, essas fotos conversam com a última foto que representa o que você vê enquanto a última representa que você sente.

Essa foto representa como as redes sociais e esses parâmetros de beleza nos tornam reféns de um padrão inalcançável que nos deixa sem vida

O objetivo dessa foto foi fazer uma referência ao conceito de beleza que é imposto às mulheres, o que possibilita ter um véu entre o que é real e o que é esse ideal que se vende como referência.

O véu também é uma representação das redes sociais, o que provoca uma divisão entre a realidade e o que é mostrado.

Essa foto conversa com as fotos anteriores  onde mostra como a pessoa se sente e como ela se parece.

IMG_4604 (1) copiar RGB .jpg
bottom of page